Não quero sofrer

domingo, 5 de junho de 2011


As pessoas costumam dizer que eu sou do tipo que se apaixona pouco, que se envolve racionalmente e que gosta de sofrer. Já ouvi tantas vezes que por essa minha necessidade de ser seletiva eu vou acabar sozinha que eu fico a pensar onde foi que eu me tornei assim.

Não, na verdade eu não vou falar de mim. Vou falar de todas nós que já sentiram a frustração de ter alguém nos amando e de não retribuir. Falar de todas nós que aprenderam que se não for intenso e recíproco não vale a pena.
Nenhuma de nós gosta de ser desprezada, pisada ou de sofrer. Mas a gente precisa de mistérios, de curiosidade e mais uma vez de equilibro. Não tem como falar se sentimentos, e aceitar que as pessoas busquem sofrer. Eu não busco. Mas eu quero alguém que pense coisas de modo diferente do meu, que tenha auto estima suficiente pra não abaixar a cabeça pra tudo que eu disser, que me beije de olhos fechados e que sorria um sorriso bobo depois disso. Quero alguém que tenha a própria vida, os próprios medos, e problemas. Alguém que se arrisque por mim, o mesmo tanto que eu me arrisco por ele. Quero reciprocidade, verdade e vontade.
Quero ter vontade de ligar no meio da noite e perguntar que serie ele esta assistindo, primeiro por saber que ele está tão acordado quanto eu, e segundo por não saber tudo sobre ele, ainda. Quero ser surpreendida com uma mensagem offline no msn, com um video qualquer sobre alguma coisa que eu disse. Quero ser surpreendida com um poema, ou texto que seja adequado ao nós. Quero nós. 
Não quero traição, lágrimas, nem mentiras. Não quero ser só mais uma. Mas eu preciso querer ser alguém melhor. Preciso de alguém que não ignore meus defeitos, mas que esteja disposto a suportá-los.
E isso não é gostar de sofrer. É querer sentir o melhor sentimento, da melhor maneira.


Ilária Oliveira. Tecnologia do Blogger.