Novembro

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011



Chegou cheio de emoções e partiu com emoções ainda mais intensas. Durou, renovou numa magnitude tamanha que tudo foi se tornando estranho e mais distante. Era um anúncio de um fim tempestuoso. Mais um se passou, doce esse. Coloquei tanto açúcar que talvez tenha se melado. Tão melado que foi ruim ingerir, mesmo assim digerir tudo, não queria sobras. A digestão não foi das melhores. Intoxiquei. Intoxiquei de desejo, paixão, amor, ciúmes e ódio. Não aguentei e tive uma overdose de excessos sentimentais. Hoje, estou aqui, com uma doença que dizem que a única cura é o tempo. O problema é que o tempo custa caro, tem vários efeitos colaterais e pode causar agir ao contrario. Novembro, porque fostes tão bom e tão cruel comigo? Desejei-te tanto. A verdade, é que o mês não era pra ser esse.

Ilária Oliveira. Tecnologia do Blogger.