Desnorteada

domingo, 10 de julho de 2011


É muito fácil você marcar a vida de alguém. Muito fácil você ensiná-la alguma coisa, aprender com ela, ser um bom amigo por um dia, ou um inimigo pra vida toda por causa de um descuido. É muito fácil despertar em alguém sentimentos que por outras pessoas não tinham sido ainda valorizados, atiçar os desejos alheios, persuadir, enganar. Sair de cena, mudar os rumos, sumir. É tão fácil entrar como é de sair, pelo mundo a fora, escanteios desconhecidos, esquinas pouco habitadas. E quantas vezes nos encontramos nas beiradas, nos extremos por causa desses que já foram algo importante um dia e que hoje só marcam presença na nossa memória, que sempre se remota a voltar no tempo e reviver esses momentos, as lembranças ainda presentes. Porque importa tanto o nível de afetividade e proximidade que você tinha com essa pessoa, que a desconsideração de um sumiço repentino estraga toda a imagem gloriosa que perpetuava em sua mente. Porque você era um exemplo pra mim em um dia, e no outro se tornou o maior dos meus rancores, a personificação da perda. E em um piscar de olhos se encontra na estrada, viajando pra longe, cortando laços afetivos tão bem zelados por mim. O pior de tudo isso é que a ponte que nos unia, hoje com as bases estremecidas, se desordenou sem motivo algum. O pior é ver as pessoas que você mais gosta escapulindo do alcance por uma mera escolha de ir contra, de almejar algo diferente de você, caminhar pra outros sentidos. E como menina sem bússola nem bula de remédio que concerte essa situação, desnorteada, me encontro aqui. Me lastimando por essas perdas, escolhas erradas que daqui a tempo irão ser arrependidas (procuro crer). E como seria bom se esse tempo logo chegasse, se você percebesse o quanto tempo anda perdendo. Podendo está aqui caminhando junto, acompanhando os passos, se divertindo comigo. Como seria bom se não houvesse opiniões tão distintas, entre lances aparecidos, jogadas errantes. Vê se volta, aprende, se organiza. Não te quero longe, nem como um desconhecido qualquer que esbarrarei na fila do padaria e aí as memórias ocorrerão em nossas mentes e mesmo assim, agiremos como se não nos conhecêssemos. Pra quê esconder a tamanha importância que um dia você já foi pra mim? Ir em frente de acordo com o que você acha que é certo pra você deve ser o caminho certo a ser seguido, e por mais difícil que seja eu compreendo essa tua escolha, meio errante pra mim, mas certa ao seu ver. Mas vê se aprende que na vida, as bases construídas não podem ser rompidas dessa forma. Que mesmo que se vá pra longe, o contato deve existir, porque ainda há amor. E em mim junto a isso, há a esperança, que os nossos caminhos tão errantes, um dia se cruzem, novamente.

Texto retirado daqui

Ilária Oliveira. Tecnologia do Blogger.