Já vai tarde

sábado, 31 de dezembro de 2011



Hoje é dia das clichês mensagens e despedidas de ano. Não muito diferente das demais blogueiras venho deixar aqui o meu último post. Não vou fazer listinhas de desejo para o ano que chega. Não queria também fazer retrospectivas. 2011 foi um ano que indubitavelmente não foi. Já vai tarde... Nunca desejei tanto que um ano se fosse. Mas de fato, já vai tarde. Dele só me restará uma única e boa lembrança.  Outro dia alguém me perguntou sobre ele, e eu inevitavelmente respondi que a melhor coisa que me aconteceu neste ano, infelizmente ficará nele, pois de certa forma a arrancaram de mim. Responderam-me: “Quanto peso nas palavras!”. Não é um peso, mas uma verdade. Pra que ficar fingindo o que aconteceu, na verdade o que nem chegou a acontecer? Foi como arrancar um doce de uma criança. Lamentável. Mas o tempo faz tudo valer à pena, nem mesmo o erro é desperdício. Levo na bagagem, mais um momento. Momento que me apresentou o respeito, me despertou a vontade de amar e ser amada. Agradeço as poucas horas de dialogo inteligente, de toques incomparáveis, de devaneios indeléveis. Mais um ano se vai deixando feridas que ainda não se cicatrizaram. Só que a vida não pode parar, sentindo ou não, viver é preciso. Não faço pedidos para o próximo ano, gosto de deixar as coisas acontecerem. Então, não peço, apenas afirmo que não quero mais perdas.

A vocês meus queridos leitores, um Feliz Ano Novo. Que suas listas de desejos se realizem.

Ilária Oliveira. Tecnologia do Blogger.