Um cafuné

terça-feira, 9 de outubro de 2012


“Ela só quer, como toda mulher, ser vista. Ser notada. Ser elogiada. Ser sentida. Ser amada. Ser reconhecida. Ela só quer que alguém pegue sua autoestima no colo e faça um cafuné.” 
— Clarissa Corrêa. 

Sabe quando você conhece alguém que te faz rir, que te acaricia, te beija, te abraça, te elogia, isso tudo ao mesmo tempo e toda hora? Não se trata de amor nem de paixão, mas de companheirismo, de conforto, de acolhimento, de amizade, cumplicidade mútua... Ah! Isso é tão bom, faz bem a alma, ao ego. É uma sensação de leveza e riso frouxo. Nossa! Isso é muito, muito bom.

Ilária Oliveira. Tecnologia do Blogger.